Nossa História

O Armazém de Ideias e Ações Comunitárias (AIACOM) iniciou suas atividades como projeto social em 1992, junto às comunidades e segmentos economicamente vulneráveis e residentes no bairro do Engenho Novo e adjacências, atuando prioritariamente com o público infanto-juvenil, por meio da criação de um espaço de convivência pedagógica, pautado na arte, cultura e educação.

Em 2010, os territórios de atuação educacional são ampliados e sua proposta educativa agrega uma nova ação, passando a oferecer uma educação de qualidade e inteiramente gratuita à população local, com Educação Infantil, Ensino Fundamental e Educação de Jovens e Adultos, passando a se chamar Colégio Agostiniano AIACOM.

No percurso, uma série de atividades reforçou os laços com as famílias, fortalecendo os vínculos comunitários, através de uma ampla rede de parcerias que, ao longo desse tempo, contribuiu, direta ou indiretamente, na ampliação de horizontes, no aprofundamento de discussões específicas ao nosso trabalho e na criação de parcerias estratégicas.

Ao longo dos anos, o AIACOM foi se consolidando como uma referência junto às comunidades do bairro e da cidade do Rio de Janeiro, buscando até os dias atuais a difusão e defesa de princípios e valores que fazem parte da nossa identidade institucional, que sempre buscou a garantia dos direitos humanos, a melhoria da qualidade de vida e a reversão do quadro de exclusão social, na luta por um mundo melhor, fraterno, justo e igualitário.

Conheça um pouco sobre a trajetória do AIACOM e veja como foi aplicada a prática educacional fundamentada nos valores cristãos, iluminada e inspirada na tradição da filosofia e espiritualidade agostiniana.

1990

A comunidade da Consolação se apresentava como um desafio para os Freis Agostinianos. No bairro do Engenho Novo, verificava um aumento da violência, ocupação desordenada do terreno no morro com riscos de desabamentos. Na Cidade do Rio de Janeiro o desafio imposto pela questão da infância e da juventude tinha sua expressão mais cruel na face dos meninos e meninas de rua.

Como resposta a estes desafios, os Freis Agostinianos decidiram doar ao Estado o terreno no morro São João, exigindo que fosse construído no local uma escola para o bairro. Impôs-se a necessidade de uma intervenção na realidade do bairro, tendo como enfoque o atendimento a crianças e adolescentes, que em virtude da sua situação social, encontravam-se com seus direitos humanos violados.

1991

A ideia e o desejo de construir uma obra social que atendesse crianças e adolescentes do Engenho Novo, pautada num atendimento que integrasse afeto, ensino, profissionalização e lazer foi apresentada na Assembleia da Paróquia Nossa Senhora da Consolação e Correia, sendo aprovada pela mesma por ter sido considerada um trabalho relevante para a população infanto-juvenil do bairro.

1992

Iniciam-se as atividades do Projeto nos espaços da Igreja, contando com os dois fundadores e uma voluntária: atendeu-se, então, 25 crianças de 09 a 12 anos.

1993

Neste ano, estreitaram-se os laços com um grupo de voluntários espanhóis, liderados por Mayte García Monje, parceira e benemérita, que culminou com a sua interseção junto à Manas Unidas, para aquisição do prédio-sede, e com a ONG Médicos Del Mundo, da qual originou-se o Ambulatório do AIACOM. Na verdade, essa relação não se restringia à doação financeira, mas, sim, tentávamos, juntos, conceber e concretizar uma visão de assistência integral às crianças e adolescentes atendidos.

1994

Ano em que os Freis Agostinianos, por meio de sua Sociedade Civil (SIC – Sociedade Inteligência e Coração), reconhecem juridicamente o AIACOM como um dos seus departamentos. Esse reconhecimento jurídico consolidava a relação orgânica entre o AIACOM e os Agostinianos. Vale ressaltar ainda, que o entendimento de que o resgate da cidadania de TODAS as crianças e adolescentes é uma responsabilidade de TODOS fez com que o AIACOM então, concretizasse as suas atividades envolvendo a família e a comunidade.

1995

Assinatura de termo de convênio de iniciação ao trabalho com o programa Correios – Educar para o futuro, que permaneceu até o ano de 2000, com a contratação de 120 jovens.

1996

O Projeto desenvolve-se e, para a concretização de seus objetivos, estrutura-se em setores (Pedagógico/Saúde/Administrativo), contratam-se profissionais para áreas específicas, visando atingir as metas estabelecidas pelo objetivo geral, no atendimento diário pedagógico, médico, odontológico e comunitário a crianças e adolescentes. Consolidam-se as parcerias com os órgãos públicos nas áreas educacional, assistencial e de saúde.

1997

O AIACOM, como um departamento da SIC, se reordena institucionalmente. Por meio do “Planejamento Participativo”, no qual a partir de nossas metas e necessidades, elegemos nossas prioridades e elaboramos nossas atividades. Como resultado desse processo no próximo ano, objetivaremos o atendimento a 422 crianças e adolescentes e seus familiares.

1999

Institui-se uma nova proposta pedagógica que se utiliza dos conceitos de arte, educação e cultura como elementos dialógicos de integração e convivência comunitária, por meio da criação de núcleos com diferentes linguagens.

2000

Criação da Cia de Teatro e dança AIACOM, com a perspectiva de realizar apresentações externas, em circuitos variados – escolas públicas, universidades, fóruns, igrejas, eventos culturais etc. – buscando garantir a visibilidade e o protagonismo da juventude, ampliando o diálogo, reflexão e debate das questões sociais para outros segmentos da sociedade.

2002

Início do projeto de pastoral Intercâmbio Solidário, entre o Colégio Santo Agostinho de Belo Horizonte e os jovens do AIACOM, que realizado de forma consecutiva durante dez anos, buscou a aproximação entre os alunos das duas cidades, propiciando momentos de troca, aprendizagens e muita solidariedade.

2004

A Cia de Teatro e dança AIACOM realiza sua primeira apresentação em outro estado, sendo convidada a apresentar o espetáculo “Meninas da Rua” em um evento no santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida/SP em comemoração ao centenário de coroação de Nossa Senhora Aparecida.

2008

Inauguração do Espaço Santo Agostinho, que oferece uma programação cultural mensal, gratuita e aberta a toda comunidade, com apresentações artísticas de teatro, dança e multimídias, além de sessões de cine debate, propiciando a construção de novos paradigmas culturais e artísticos junto à população local.

2009

A equipe técnica e os adolescentes/jovens do AIACOM participam ativamente de uma série de conferências no município do Rio de Janeiro e são convidados a realizar a abertura da 8ª Conferência dos Direitos da Criança e Adolescente, em Brasília. O objetivo central foi a elaboração de um plano decenal com políticas voltadas a infância e juventude de todo o Brasil. A Cia de Teatro e Dança consagra uma série de apresentações externas, mobilizando um coletivo de mais de 600 jovens de todo o Brasil com a apresentação do espetáculo “Depósito de Gente, um abismo na corda bamba”.

2010

O Colégio passa a constituir-se legalmente enquanto uma escola formal, com a implantação da unidade SIC – Colégio Agostiniano AIACOM, mantendo os princípios filosóficos de trabalho e passando a oferecer uma educação de qualidade, inteiramente gratuita, à população local, apoiado por material didático e escolar, uniformes e alimentação.

2011

Buscando ampliar as oportunidades para a juventude do bairro, firma-se o convênio de parceria com a Petrobras, para a realização do programa Jovem aprendiz, formando 125 jovens nas áreas de Web design, Assistente administrativo, Eletricista e Eletromecânica automotiva, num período de 07 anos.

2012

Firma-se parceria com a Secretaria Estadual de cultura do governo do Estado do Rio de Janeiro, que transforma o AIACOM em um Ponto de Cultura e um Ponto de brinquedoteca do município do Rio de Janeiro.

2013

Inaugura-se a biblioteca comunitária em parceria e apoio do Instituto C&A, por meio do programa Prazer em Ler, junto a rede conexão leitura, disponibilizando um acervo de 8 mil livros para toda comunidade local.

2017

A instituição realiza o evento “Prêmio AIACOM 25″. O objetivo foi comemorar seus 25 anos de fundação, compartilhando um pouco de sua história e homenageando algumas pessoas e instituições que fizeram parte de sua trajetória, de luta e a garantia pelos direitos da criança e dos adolescentes.

2020

A atuação como escola completa 10 anos de trajetória, onde acreditando no potencial transformador e emancipatório da educação, celebramos o desafio de construir um processo educacional singular e integrado aos princípios e valores que fazem parte de nossa identidade institucional.

Nesse mesmo ano a Cia de Teatro e Dança completa 20 anos de caminhada, comemorando um percurso de muita reflexão, arte, cultura e resistência, que se revelou como uma experiencia fundamental no processo de humanização e encantamento da infância e juventude e de reencantamento do mundo a nossa volta.

O Aluno AIACOM

O Colégio AIACOM atua, no decorrer de sua existência, exclusivamente junto a grupos socialmente vulneráveis, na perspectiva de potencializar o fortalecimento e a autonomia de todos os indivíduos que compõem seu espectro de ações.

Nosso aluno é morador das comunidades do bairro do Engenho Novo e adjacências, com referência sociocultural provinda dessa realidade. Pode iniciar aqui a vida escolar, assim como pode ingressar no nosso convívio vindo de uma outra realidade de ensino. Aqui no AIACOM, desejamos desenvolver uma proposta educativa que considere esse aluno como um ser integral: corpo, mente e alma.

O processo educativo deve, então, centrar-se na perspectiva de oferecer o máximo de experiências educativas, respeitando as diferentes fases/etapas do desenvolvimento humano.

Desejamos formar um sujeito crítico, analítico, que compreenda o mundo que o rodeia e, para isso, o processo de escolarização deve focar no conhecimento do mundo em seus diferentes aspectos: científicos, sociais, políticos, matemáticos, linguísticos, religiosos, incluindo as regras, normas e leis que regem esse mundo e que orientam a vida em comunidade.

Este sujeito em formação deve saber identificar os limites e interfaces das diferentes áreas de conhecimento, desenvolver relações múltiplas transdisciplinares na perspectiva de compreender os limites e possibilidades de uma ação transformadora.

Sic - sociedade inteligência e coração

A Sociedade Inteligência e Coração (SIC) é a entidade civil, mantenedora das obras e escolas Agostinianas pertencentes ao Vicariato Nossa Senhora da Consolação. Representa a instituição junto aos órgãos governamentais e à sociedade, atendendo as legislações vigentes no país.

Foi fundada em 10 de junho de 1937, como entidade filantrópica, sem fins lucrativos, de educação e de assistência social, de caráter beneficente, cultural e de formação humana. Tem por objetivo o ensino em seus vários níveis e modalidades, inclusive educação profissional, e a proteção à família, à juventude, à adolescência e à criança, prestando-lhe atendimento e amparo.

Inteligência e coração, razão e fé marcaram a personalidade de Santo Agostinho, por isso, essas características do maior pensador do ocidente, são as mesmas que nós, como religiosos Agostinianos, e o grande número de pessoas que colaboram no nosso apostolado, buscamos viver e dar testemunho. Para alcançar o êxito e responder às necessidades atuais, a SIC conta com um grupo de profissionais que auxilia no planejamento estratégico e na gestão das obras.